Pular para o conteúdo principal

Paulo Turra biografia


Paulo César Turra, mais conhecido como Paulo Turra (Tuparendi, 14 de novembro de 1973), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como zagueiro. Atualmente está novamente contratado pelo Cianorte FC. 
 Paulo Turra foi formado na base do Caxias, de onde saiu para defender o Botafogo, ainda nos anos 90, conquistando o Campeonato Carioca. Voltou ao Caxias que, então comandado pelo técnico Tite, ganhou o primeiro Gauchão de sua história, em 2000. Na decisão, a equipe de Turra, zagueiro titular durante toda a campanha, derrotou o Grêmio, de Ronaldinho Gaúcho. No mesmo ano, Turra despertou o interesse do Palmeiras, do técnico Felipão. 
De cara, contribuiu na conquista da Copa dos Campeões, que garantiu uma vaga na Libertadores. No mesmo ano, viria o vice da Copa Mercosul. Na temporada seguinte, 2001, Turra atuou no Palmeiras do técnico Celso Roth, que chegou à semifinal da Libertadores. Ainda em 2001, Turra se transferiu para Portugal, onde jogou por quatro temporadas; três no Boavista e uma no Vitória de Guimarães. No Boavista, obteve um vice-campeonato português e enfrentou um ainda jovem Cristiano Ronaldo, que atuava no Sporting. Em seu período no futebol português, Turra ainda chegou a uma semifinal da Copa da Uefa, hoje, Liga Europa. 
  Como Treinador

Passou a atuar como treinador ao ser o auxiliar do Novo Hamburgo em 2008 e interino em 2009. Ainda em 2009, foi promovido a treinador principal. Em 2010, treinou a equipe do Esportivo, mas por uma sequência de derrotas foi demitido do cargo. Em 7 de julho de 2010, Paulo Turra assumiu o comando do Glória de Vacaria, porém em 14 de julho foi anunciado que ele deixou o clube, pois o Glória desistiu de participar da Copa FGF. Foi aí que, com o intuito de disputar o Campeonato Catarinense e a Série D em 2011, Paulo Turra assume o comando do time do Brusque. Em 2012 Paulo Turra assumiu o Cianorte, onde foi vice-campeão do Interior Paranaense. Trabalhou no clube por 15 meses e, em meio ao Estadual de 2013, assumiu o Operário, de Ponta Grossa, onde também chegou à final do Campeonato do Interior. Depois disso, teve uma rápida passagem pelo Marcílio Dias-SC. No dia 23 de julho de 2013, iniciou um estágio de sete dias com Tite no Corinthians. Antes, já havia feito acompanhamentos no Palmeiras, com Luis Felipe Scolari, e no Fluminense, com Muricy Ramalho. No início de 2014, esteve próximo de ser anunciado como técnico do Daegu FC, da Coréia do Sul, mas a equipe acabou rebaixada no campeonato nacional e houve uma modificação geral na estrutura do clube. 

  Avaí 

No dia 14 de fevereiro de 2014, assumiu o último clube de sua carreira como jogador, o Avaí. Assumiu o time após a demissão de Emerson Nunes do cargo, também ex-zagueiro do Avaí. Turra assumiu uma tarefa difícil, já que o clube passara por uma de suas maiores crises em toda a sua história de 90 anos. Em seu primeiro discurso como técnico do Avaí, Paulo disse que "essa é a maior chance" de sua carreira como treinador. 

Após ser chamado de "amarelão" pela torcida do Avaí por não assumir o clube no clássico contra o Figueirense (arquirrival do Avaí), do dia 16 de fevereiro de 2014 no Estádio Orlando Scarpelli no qual o Avaí ganhou por 2x1. Turra assumiu o time no crucial jogo contra a Chapecoense no dia 23 de fevereiro de 2014. O jogo ia decidir a permanência ou não dos dois clubes pela disputa da classificação para o quadrangular final do Campeonato Catarinense. O Avaí perdeu o jogo de virada (por 2x1) em casa para a Chapecoense e deu adeus ao sonho da classificação no quadrangular e também ao sonho do 17º título catarinense. Turra que já estava pressionado por não ter assumido o time no clássico, ficou ainda mais pressionado com a eliminação. Após o jogo falou em reforços para o plantel avaiano, para a disputa do hexagonal de rebaixamento do mesmo campeonato e para a Série B de 2014. No dia 7 de março, após três jogos e três derrotas, Paulo foi demitido pelo Avaí. Em seu lugar foi anunciado o então treinador do Brusque Luiz Roberto Magalhães, o Pingo.

  Caxias do Sul 

Em 17 de outubro de 2014, Paulo Turra acertou com o Caxias do Sul para comandar a equipe grená no Campeonato Gaúcho de 2015. Com apenas 12 jogos no comando da equipe, sendo 10 do campeonato gaúcho e apenas 1 jogo da Copa do Brasil, e um amistoso, Paulo Turra foi demitido, em 12 de março de 2015.
Resultado de imagem para wikipedia logo

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileirão Série A - Confira os jogos de hoje e amanhã

Marcos Danilo Padilha - "Profissão - Goleiro"

Sempre publico nesse espaço matérias sobre a carreira do goleiro Danilo da Chapecoense , que considero o melhor goleiro do futebol brasileiro , formado e revelado pelo Cianorte FC time de sua cidade natal , tem como ponto alto um caráter diferenciado herdado dos pais , meus amigos Nilson e Ilaídes(foto). O  filho Danilo , também é filho de Cianorte e tem um respeito enorme do torcedor paranaense , tanto  é que enquanto atuou no Londrina E.C  recebeu o apelido de PAREDÃO  do torcedor londrinense devido as atuações brilhantes na meta do LEC .

Atuou também pelo Cianorte FC , Nacional de Rolândia , Engenheiro Beltrão e Operário Ferroviário de Ponta Grossa atual campeão Paranaense de Futebol. ( clubes do interior do Paraná)

Marcos Danilo Padilha Nascimento: 31 de julho de 1985 (29 anos), Cianorte, Paraná Altura: 1,85 m Peso: 80 kg Início de carreira: 2004 Time atualAssociação Chapecoense de Futebol (#1 / Goleiro)

Herói da Inter, Éder Paulista poderia ter sido herói no Cianorte FC

Eder Paulista , atacante com passagem pelo Cianorte FC , onde pouco fez por não ter a oportunidade merecida , oportunidade que teve na Inter de Limeira quando no dia 14 de maio , a emoção tomou conta dos mais de 8 mil presentes no Limeirão assim que o árbitro Thiago Duarte Peixoto apitou o fim da vitória da Inter de Limeira por 2 a 1 sobre o Monte Azul. 

O tão sonhado acesso à Série A2 estava consumado. Graças a alguém que por muito pouco não esteve ali. Herói do Leão com os dois gols da virada no jogo decisivo, o atacante Éder Paulista teve a participação ameaçada na competição ao sofrer uma grave lesão logo no início da campanha. 

Por tudo o que passou, era um dos mais eufóricos, a ponto de até esquecer como foram seus gols. - Só Deus sabe o que eu passei. Os médicos falavam que eu só voltaria depois de três meses. Mas eu falei que iria me recuperar rapidamente e decidir para a equipe. 

A emoção está muito grande, não sei nem dizer como foram os gols.