ZH

 

Zero Hora

Últimas notícias

Carregando...

/

ESPORTE PARA TODOS!

OUÇA - A VIDA DE WILSON SILVA

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Conmebol quer amistoso entre campeão da Centenário e campeão da Euro

Duelo dos campeões?
De acordo com publicação do site GOAL O presidente da entidade sul-americana já fez o convite da UEFA, uma vez que o Chile está confirmado na Copa das Confederações como campeão de 2015. 

Com a realização da Copa América Centenário, muito se questionou em relação à participação do campeão na Copa das Confederações. Mas independente se vencer ou não, o Chile não deve se preocupar, pois será o representante sul-americano no evento que serve também como teste para o Mundial. Não haverá um duelo entre o campeão de 2015 e o da Centenário.
Resultado de imagem para GOAL LOGO PNG

Saiba o que há de verdade na possível transferência de Paolo Guerrero para o Boca Jrs

O Boca Juniors quer contratar Paolo Guerrero, atacante do Flamengo. Até agora, este é o único fato sobre a possível transferência. A informação foi divulgada pelo FOX Sports, na Argentina. Segundo a imprensa local, esse foi um pedido pessoal do técnico da equipe argentina, Guillermo Schelotto, ao presidente do time. 

Como Guerrero foi contratado por um valor altíssimo pelo Flamengo em 2015, a negociação deve se arrastar por um bom tempo, e os Xeneizes terão de botar a mão no bolso se quiserem que o peruano forme dupla de ataque com Carlitos Tevez. Por enquanto, ainda não existe nenhuma proposta oficial por parte do Boca, mas Guerrero já foi perguntado sobre o assunto enquanto viajava para o Brasil, nesta terça-feira, e deixou claro sua admiração pelo clube argentino ao dizer que se trata de um grande clube e que todo atleta queria atuar lá, mas seu foco este momento é apenas o Flamengo. 

 Questionado, o presidente do Boca, Daniel Angelici, tratou de desconversar e disse que sempre tenta dar as melhores condições de trabalho ao técnico Schelotto, mas que por enquanto não existe nenhuma negociação em aberto. Para contar com o atacante, o Boca Juniors teria que desembolsar uma quantia próxima a 23 milhões de reais, valor considerado alto tendo em vista a realidade financeira da equipe. 

Outro fator que pode travar o trâmite é o salário do jogador, que também é muito alto. No próximo jogo do Flamengo no Brasileirão, contra o Santa Cruz nesta quarta-feira, o atacante será poupado e Felipe Vizeu ganhará mais uma oportunidade na equipe titular.
Resultado de imagem para blasting news logo

Bombou no meu facebook!

Advogado cianortense Rubens Pereira de Carvalho ao lado do atacante peruano  Paolo Guerrero , hoje no Flamengo.

Seleção FI vem com carrascos da Ponte, 'menino de ouro', Jesus e atacante do Brasil

Campinas, SP, 23 (AFI) - Um time com Jesus, 'menino de ouro', além de um jogador que representou o Brasil na Copa América, não é para qualquer um. Coube a Seleção do Futebol Interior da décima rodada do Campeonato Brasileiro juntar o trio que vem 'causando' no torneio. Gabriel Jesus e Róger Guedes são os principais astros do líder Palmeiras, enquanto Gabigol continua sendo o mesmo 'matador' santista. Uma das equipes mais fortes já montadas, a Seleção FI ainda tem 'carrascos' da Ponte Preta - Mayke e Arrascaeta -, e o 'paredão' Muralha, que só não fez chover na vitória do Flamengo diante do Santa Cruz. A equipe é a mais ofensiva possível, com Marcos Júnior e Cazares completando o setor de meio de campo, e Diego Renan improvisado na esquerda. O técnico escolhido 'apagou' a ascensão de Cuca. Trata-se de Paulo Bento. O português ainda tem o trabalho contestado, mas mostrou um Cruzeiro diferente, tanto que goleou a Ponte Preta na rodada. 
  Confira a Seleção FI da décima rodada do Brasileirão: 

Alex Muralha (Flamengo); Mayke (Cruzeiro), Maicon (São Paulo), Paulo André (Atlético-PR) e Diego Renan (Vitória); Cazares (Atlético-MG), Arrascaeta (Cruzeiro) e Marcos Júnior (Fluminense); Róger Guedes (Palmeiras) Gabriel (Santos) e Gabriel Jesus (Palmeiras) Técnico - Paulo Bento (Cruzeiro)

 na vitória do Fla contra Santa Cruz 
Goleiro: Alex Muralha (Flamengo) Sem dúvidas, o goleiro Alex Muralha é o grande responsável pelo Flamengo ter vencido o Santa Cruz, em pleno Estádio do Arruda e entrado no G4 da Série A do Campeonato Brasileiro. O arqueiro fechou o gol, durante toda a partida, por várias vezes ficou cara a cara com Grafite e com os outros atacantes do time da casa, mas não deixou nenhuma bola passar para dentro do gol. Muralha segue mostrando que ganhou a vaga de titular do Mengão e que dificilmente Paulo Vitor volte a usar a camisa 1. Lateral-direito: Mayke (Cruzeiro) Foi uma das surpresas de Paulo Bento diante da Ponte Preta e mostrou que, se não for atrapalhado por conta das lesões, é o dono da lateral-direita. No primeiro tempo, roubou a bola de Clayson e deu cruzamento preciso para Arrascaeta marcar o segundo dos quatro gols cruzeirenses no Majestoso.

 Depois, priorizou a marcação, já que Reinaldo era a principal arma da Macaca. E deu conta do recado. Zagueiro: Maicon (São Paulo) Em um jogo de poucas emoções, o São Paulo voltou a sofrer com a falta de criatividade de seu setor ofensivo, mas na defesa, Maicon comandou a equipe novamente e garantiu, pelo menos, o empate sem gols. Nas poucas vezes que se aventurou ao ataque, ainda chegou a assustar o goleiro adversário com chutes de longa distância. Zagueiro: Paulo André (Atlético-PR) O experiente Paulo André mostrou seu valor novamente na defesa do Atlético-PR. 

Em partida que foi paralisada e teve de ser disputada em duas partes, o defensor teve segurança para assegurar o empate sem gols. Ao lado de Thiago Heleno, vem formando uma dupla de zaga sólida e se tornando um do líderes do elenco do Furacão. Lateral-esquerdo: Diego Renan (Vitória) O lateral Diego Renan caiu como uma luva na formação de Vagner Mancini com cinco defensores para enfrentar o Grêmio. Quando o Vitória reagiu à pressão do Grêmio na metade da segunda etapa para construir o resultado Diego Renan foi a principal arma. Primeiro, o ala tirou a marcação gremista e fez um levantamento primoroso, na cabeça de Kieza para abrir o marcador. Seis minutos depois, Diego Renan foi para a cobrança de pênalti e abriu 2 a 0 para o Leão. Como é ambidestro, o lateral atuará como lateral-esquerdo na Seleção FI. Meia: Cazares (Atlético-MG) O meia Cazares está mesmo caindo nas graças da torcida do Atlético. Mesmo em um elenco repleto de estrela, o equatoriano vem se destacando e foi decisivo mais uma vez nesta rodada. Foi o jogador mais perigoso na vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians e ainda ganhou um presente do zagueiro Pedro Henrique para marcar o segundo gol do Galo. Meia: Arrascaeta (Cruzeiro) 

A limitação do elenco cruzeirense é compensada pela qualidade técnica do camisa 10. Jogador mais lúcido do time comandado por Paulo Bento, Arrascaeta marcou dois gols na goleada celeste sobre a Ponte Preta, por 4 a 0, em Campinas, na última quarta-feira. No primeiro, aproveitou cruzamento rasteiro de Mayke e tirou de João Carlos. Depois, mostrou categoria em cobrança de pênalti. Meia: Marcos Júnior (Fluminense) O Fluminense acabou sendo derrotado para o Santos, mas se dependesse do futebol apresentado por Marcos Júnior o resultado seria outro. O meia mostrou muita disposição para tentar dar os três pontos para o Tricolor. Foi dele os dois gols da equipe na partida. Como o futebol tem 11 jogadoreRoger Guedes e Gabriel Jesus estão na Seleção FI Roger Guedes e Gabriel Jesus estão na Seleção FI Atacante: Róger Guedes (Palmeiras)s... 

 Tratado como 'menino de ouro' pela imprensa espanhola, Róger Guedes vem sendo o principal jogador neste bom início do Palmeiras. Precisa tirar o chapéu para Alexandre Mattos por tê-lo tirado do Criciúma. O atacante tem arrebentado e contra o América não foi diferente. Saiu de seus pés as duas jogadas que terminou em gol de Gabriel Jesus. O garoto aplicou um chapéu no primeiro lance, enquanto no segundo colocou a bola, de calcanhar, entre as pernas do defensor. Atacante: Gabriel (Santos) Dunga tinha razão na questão: Gabriel. O atacante do Santos precisa estar entre os convocados para defender a seleção brasileira. No Santos, ele nem quer saber se Ricardo Oliveira e Lucas Lima estão jogando, chama logo a responsabilidade e decide à favor do Peixe. 

Na goleada, por 4 a 2, diante do Fluminense, mostrou toda sua pontaria, com dois belos gols. Atacante: Gabriel Jesus (Palmeiras) Gabriel Jesus estava apagado nos últimos jogos do Palmeiras. Foi só dirigentes do Barcelona aparecerem no estádio que as coisas mudaram. A jovem promessa alviverde foi logo mostrando porque está sendo disputado por grandes clubes europeus. Mostrou várias de suas armas e ainda fez os dois gols na vitória por 2 a 0 contra o América. Segura o garoto. 
 Paulo Bento comanda a seleção FI depois de goleada contra a Ponte Paulo Bento comanda a seleção FI depois de goleada contra a Ponte Técnico: Paulo Bento (Cruzeiro) Sem ser unanimidade no Cruzeiro, Paulo Bento vem sofrendo grande pressão com a sequência de resultados ruins da equipe no Campeonato Brasileiro, que acabou nesta quarta-feira, com a vitória, por 4 a 0, diante da Ponte Preta, em pleno Estádio Moisés Lucarelli. 


O treinador ainda tinha que conviver com a sombra de Mano Menezes. A goleada, porém, mostrou do que o comandante é capaz e criou uma nova expectativa para a Raposa na temporada 2016. Com elenco na mão e reforço como Rafael Sóbis, tudo pode mudar.
Resultado de imagem para futebol interior logo png

Heleno , o filme e a vida real



Este filme estreou em: 30 de Março de 2012
Heleno de Freitas é a figura do Rio de Janeiro de 1940, quando a cidade era cheia de glamour, sonho e promessas. Primeiro galã do futebol, Heleno defendia o Botafogo e tinha tudo para ser o maior jogador do Brasil. No entanto, a guerra mundial da época e a libertinagem que guiava sua vida mudaram seu brilhante destino, abandonado em um sanatório e vítima da sífilis aos 39 anos de idade.
                             
VIDEO:


Craque, gênio e polêmico. O mineiro Heleno de Freitas foi um dos maiores ídolos do Botafogo e um dos melhores jogadores de todos os tempos do futebol brasileiro, mas nem assim ficou milionário e acabou morrendo em 1959, no dia 08 de novembro, abandonado na casa de saúde São Sebastião, em Barbacena-MG, onde estava internado desde 1954 devido a problemas mentais.

Heleno de Freitas nasceu em 1920 em São João Nepomuceno, Minas Gerais. Começou nos juvenis do Fluminense.

Nervoso em campo e boêmio fora dele, Heleno se irritava com o apelido que ganhou: Gilda (personagem da atriz americana Rita Hayworth). Por não suportar a dor da derrota, chegou muitas vezes a discutir com os próprios companheiros, em suma, um profissional com alma de amador. Marcou 204 gols pelo Fogão em 233 jogos. Além do Botafogo, clube que defendeu de 1945 a 1948 e 1950, o centroavante atuou pelo Vasco (1949), Boca Juniors, da Argentina(1951), América do Rio (1951), Atletico Barranquilla (1951 e 52) e Santos (1953). Na carreira, disputou 186 jogos oficiais.

Na sua brilhante e agitada trajetória, também marcada por diversas expulsões e confusões em campo, Heleno conquistou apenas um título: o Carioca de 1949. Pela seleção brasileira marcou 15 gols e ao todo, na carreira, fez 265.

Em 1940, o jogador galã pegou suas malas e foi desfilar seu futebol, e seu charme, no Boca Juniors. Logo na estreia, no dia 6 de junho, o centroavante marcou dois na vitória por 3 a 0 contra o Banfield. A passagem pelo time de Buenos Aires durou apenas seis mese. Foram 17 jogos e 7 gols.

Um de seus últimos clubes como atleta profissional foi o Santos, onde desembarcou em 1952, trazido pelo então dirigente Orlando Monteiro Neto. Porém, a estadia do mineiro foi relâmpago: apenas alguns treinos na Vila Belmiro, problemas com colegas e um grande desentendimento com Aymoré Moreira, técnico do time, foram suficientes para sua partida da Baixada.

Heleno passou os últimos anos de vida internado em um sanatório. Confira alguns relatos da agonia do ex-centroavnate que brilhou no futebol e morreu esquecido. Trechos retirados do livro "Nunca Houve um Homem como Heleno", escrito pelo jornalista Marcos Eduardo Neves e publicado pela editora Ediouro.

"Nas dependências da casa da saúde, Heleno tornara-se agressivo, xingava as pessoas à toa. Um dos enfermeiros contaria que, num acesso de demência, chegou a botar quatro cigarros acesos na boca e dois nas narinas. Passou a rasgar as próprias roupas e volta e meia anda nu pela casa.

...Em seus últimos dias, Heleno esteve mudo e afástico. Tudo era melancolia, silêncio, tristeza. Agonizava. Suas unhas tornavam-se roxas, em sinal preventivo de que a morte se aproximava. A linguagem do olhar, a mais sincera das linguagens, por seu estado profundo e humano, revela sua dor, sendo todos, ao seu lado, impotentes para reanimá-lo.

...Na manhã de 8 de novembro de 1959, um domingo como tantos em que Heleno encantou platéias, o enfermeiro foi levar-lhe o café da manhã e o encontrou morto. Após quatro anos, dez meses e 25 dias de tratamento, os médicos constataram o óbito, aos 39 anos, por paralisia progressiva."

O saudoso jornalista botafoguense, Armando Nogueira, escreveu uma coluna sobre Heleno no dia 11 de novembro de 1970. O texto foi publicado pelo Jornal do Brasil.

"... Heleno de Freitas, o craque das mais belas expressões corporais que conheci nos estádios, morreu, sem gestos, de paralisia progressiva, e descansa, hoje, no cemitério de São João Nepomuceno, onde nasceu um dia para jogar a prórpia vida num match sem intervalo entre a glória e a desgraça".

O internauta José Eustáquio, sobre o jogador, escreveu o seguinte em relação a sua passagem pelo América, que defendeu em 1951.

"A única vez que o Heleno jogou no Maracanã foi pelo América no dia 4 de novembro de 1951, em um jogo em que o Diabo perdeu para o São Cristóvão por 3 x 1, pelo Campeonato Carioca. Naquele dia, foi expulso ainda no primeiro tempo. O Mecão entrou em campo com Osni, Rubens, Osmar, Ivan, Osvaldinho e Godofredo. Natalino, Dimas, Heleno de Freitas, Ranulfo e Jorginho".

Brasil Brasil

Brasil Botafogo
  • Torneio Inicio: 1947
  • Campeonato Carioca de Aspirantes: 1944 e 1945
  • Campeonato Carioca de Amadores: 1944, 1943 e 1944
  • Copa Burgos: 16 de fevereiro de 1941 – 7 x 4 España (MEX)
  • Taça Prefeito Dr. Durval Neves da Rocha: 15 de janeiro de 1942 – 3 x 1 Bahia
Brasil Vasco da Gama
Brasil Santos
  • Taça Santos: 1952
  • Torneio FPF: 1952
  • Quadrangular de Belo Horizonte: 1951

A turma do Algazarra/CIA FM ..ibope lá em cima!

Esses três ai da foto compõem a "turma do Programa Algazarra da Cianorte FM - Debora Ribeiro , Siivirino e o produtor Marquinhos Santos - o responsável por trazer o Siivirino do Ceará para Cianorte.

                    Dicionário - Significado de Algazarra

s.f. Barulheira; excesso de vozes, de barulho desconexos; em que há tagarelice: a hora do recreio é uma algazarra de crianças.
Antigo. Gritos de guerra que faziam os mouros no início de uma luta ou combate.
(Etm. do árabe: al-gazarâ)

VIDEO :GOL ANTOLÓGICO :Gol de Basilio fará 40 anos em 2017

VIDEO :

Inesquecível e nostálgico... Qual corintiano não se orgulha do título do Campeonato Paulista de 1977? Após ficar 23 anos na fila, sem conquistar nenhum título sequer, o Corinthians tinha a chance de faturar o Estadual. Mas, para isso, seria preciso vencer a Ponte Preta de Rui Rei, que viria a ser personagem principal do terceiro jogo da decisão. 
 Na primeira partida da final, no Morumbi, vitória corintiana por 1 a 0, com gol de Palinha. Mas o tabu jogava contra e a Ponte Preta conseguiu a vitória no segundo jogo por 2 a 1. 
No terceiro e decisivo confronto, o craque Rui Rei foi expulso logo no início, abrindo caminho para a conquista da tão sonhada taça. 
Diante de 87 mil pessoas, o gol da libertação veio aos 37 minutos do segundo tempo. Após desvio de cabeça em cobrança de falta, a bola carimbou o travessão e foi salva em cima da linha. Basílio, no rebote, chutou com força, com raiva, raiva de um tabu que amargurava a massa alvinegra. 
A bola morreu no canto esquerdo do goleiro, para delírio do Morumbi. Ouça e veja abaixo a narração do gol de Basílio na voz de Osmar Santos:

quinta-feira, 23 de junho de 2016

imprensa esportiva x cartolas/ placar 77x0 pra nós!




  • Só uma observação : "... POR QUE SERÁ QUE NÓS DA IMPRENSA ESPORTIVA CONHECEMOS MELHOR O PERFIL DOS TORCEDORES "?". QUANDO NA VERDADE OS CARTOLAS É QUE DEVERIAM SE OCUPAR DESTES TIPOS DE ASSUNTOS


O País do Futebol : liletratura futebolística



Numa oportunidade o presidente da CBF, José Maria Marin, mandou o livro “Brasil, o País do Futebol”, para o jornalista Vicente Limongi Netto, com a seguinte dedicatória: “Ao estupendo jornalista e grande amigo Limongi, a estima, gratidão e homenagem do seu admirador e amigo, Marin. Deus lhe pague!”
O anuário contém informações sobre os campeonatos estaduais realizados pelas 27 federações em 2012, com matéria também a propósito da Copa Libertadores conquistada pelo Corinthians. A obra ainda recorda as conquistas mundiais do Bicampeonato e do Pentacampeonato da seleção brasileira, além de homenagens ao tricolor Nelson Rodrigues e ao vascaíno Chico Anísio.
Portal Anna Ramalho

1950 : Maracanazo




maracanazo
Reprodução da coluna de Odilon Braz no semanário Mundo Esportivo, de São Paulo, em sua edição de 21 de julho de 1950 – a primeira após o Maracanazo. A linguagem da época e os erros de tipografia são mantidos. Uma semana antes, às vésperas da decisão, o mesmo jornal havia publicado na capa uma chamada garrafal dizendo SEREMOS CAMPEÕES (acima havia um “empatando com o Uruguai”, mas estava tão pequeno que era como se não estivesse). Segue o texto: 
mundoesportivopremaracanazo
  DRAMA, TRAGEDIA E RIDICULO! 
VIDEO 1 :
Reduzidas a po’ as mais lidimas esperanças – Flavio Costa, sinal dos tempos – Mau criterio na convocação – Mania dos “medalhões” – Inteferencia perniciosa – Volupia de superioridade – Ncompetencia – Asa negra, mandinga e pe’ de coelho – Mal necessario Com a vitoria do Uruguai, encerrou-se a disputa do IV Campeonato Mundial de Futebol. Virou-se a ultima pagina do vigoroso drama que sacudiu a alma dos brasileiros e agora, passados os primeiros instantes de magua e decepção, podemos analisar, friamente, as causas que determinaram a dolorosa tragédia do futebol brasileiro. Não temos o proposito de desmerecer o triunfo uruguaio, que foi legitimo e indiscutível. Tão pouco move-nos o desejo de ferir este ou aquele. Visamos, antes de tudo, apontar os erros que presidiram os preparativos e a orientação do nosso quadro, e nisso não fazemos mais do que repetir os gritos de alerta que, patrioticamente, não nos cansamos de repetir enquanto havia tempo para reparos 

Em despretensioso retrospecto, apontaremos os dez erros que culminaram com a derrota do Brasil na Copa do Mundo. Dez erros que abalaram os alicerces do nosso futebol, reduzindo a pó as mais lidimas esperanças e abrindo, na alma nacional, feridas que jamais fecharão. Verá o leitor, frequentemente, o nome de Flavio Costa. Perdoe-nos por isso. Ele hoje é uma figura morta, e não desejamos ser seu coveiro. Ao menciona-lo vemo-lo apenas como instrumento da C. B. D., como um sinal dos tempos que felizmente já passaram


 DEZ ERROS CAPITAIS 
VIDEO 2
 Passamos, agora, à enumeração dos erros capitais: 
 1 – MAU CRITERIO NA CONVOCAÇÃO – Armado com a espada de dois gumes do absolutismo, Flavio Costa adotou mau critério na convocação dos jogadores, sem que a ninguem fosse dado discordar. Houve um desportista que pretendeu levantar sua voz contra erros gravíssimos, como a manutenção de Alfredo e dispensa de Pinga, mas foi logo taxado de derrotista, quinta-coluna e outros adjetivos desse genero, com que logo reagiam os amigos da onça do futebol nacional. Prestigiado, o técnico prosseguiu nos erros, dando preferencia a valores que haviam fracassado no sul-americano. Jogadores gastos, que jamais souberam verdadeiramente ganhar a ultima batalha, exceto no continental, nas circunstancias que todos sabem: com o Uruguai com uma equipe de amadores, a Argentina ausente e os demais concorrentes enfraquecidos. 
 2 – TEMPO PERDIDO NA CONCENTRAÇÃO: Outro erro que combatemos, desde o inicio, foi o tempo perdido na concentração, com passeios e distrações, quando o quadro precisava treinar assiduamente para consolidar-se. Deviamos ter procurado adextra-lo, fazendo-o jogar contra adversários duros, para evitar o desnivelamento de produção, como aconteceu. Fizemos uma campanha irregular e para culminar, passamos de uma vitoria de 6 a 1 a uma derrota.
logo